Come visit us, public meetings every Wednesday at 7:30pm

QUEM É ALLAN KARDEC

kardec-404x500Allan Kardec foi o codificador do Espiritismo. Com os ensinamentos que recebeu de espíritos superiores através de vários médiuns, ele escreveu cinco livros que se tornariam a base da Doutrina Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Ele também deixou escritos inéditos, que foram recolhidos 21 anos após sua morte no livro Obras Póstumas, e vários outros livros de iniciação à doutrina que ainda não foram traduzidos para o Inglês.

Allan Kardec é o pseudônimo de um educador francês chamado Léon-Hipollyte Denizard Rivail. Rivail nasceu em Lyon, França, em 3 de outubro de 1804. Ele foi batizado na religião católica e começou a usar o pseudônimo de Allan Kardec, muitos anos depois, quando ele entrou em contato com os fenômenos espíritas.

Durante uma reunião mediúnica na casa da família do Baudin, em Paris, o espirito protetor Zefiro se manifesta, dizendo que ele tinha conhecido Rivail em uma existência anterior, durante o tempo dos druidas, quando eles viviam juntos em Gália. De acordo com Zefiro, naquela época, Rivail se chamava Allan Kardec. Quando Rivail publicou seu primeiro livro espírita – O Livro dos Espíritos – em 1857, ele decidiu assinar com o pseudônimo “Allan Kardec”, e começou a usá-lo em todos os seus novos trabalhos.

O Professor Rivail
Rivail era de uma família tradicional francesa de juízes e professores; ele era o filho do juiz Jean Baptiste Antoine Rivail e Jeanne Louise Duhamel. Quando ele tinha 10 anos, ele foi para Yverdon, Suíça, para estudar no Instituto Pestallozzi, liderado pelo Professor Johann Heinrich Pestallozzi. A escola era uma das mais respeitadas da época na Europa. Kardec tornou-se um dos discípulos mais eminentes da Pestallozzi e um dos maiores propagadores de seu sistema de ensino, que tiveram grande influência sobre a reforma do ensino francês e alemão.

Após completar seus estudos em Yverdon, ele foi para Paris. Logo depois, com apenas 18 anos de idade, destacou-se como um pedagogo e escreveu seu primeiro livro em 1823: “Curso prático e teórico de Aritmética”, para crianças. No mesmo ano, tornou-se membro da Sociedade de Magnetismo de Paris, tornando-se um hipnotizador experiente. Na Sociedade, ele conheceu Fortier, magnetizador, que em 1854 apresentou a Kardec o fenômeno das “mesas girantes”.

Kardec fundou dois institutos educacionais em Paris e escreveu vários livros didáticos. Em 1831, ele conheceu Amélie Gabrielle Boudet, também professora e autora, com quem se casou no dia 6 de fevereiro de 1832. Amelie iria se tornar uma contribuinte valiosa para o seu futuro trabalho missionário.

As mesas girantes
A experiência educacional valiosa de Hipollyte-Léon Denizard Rivail o preparou para a sua grande missão: a codificação do Espiritismo. Kardec tinha 50 anos quando, em 1854, o magnetizador Fortier lhe informou sobre o estranho fenômeno das “mesas girantes”, que havia sido relatado nos jornais franceses. As mesas eram movidas e giradas sem a intervenção de ninguém. A princípio, Kardec acreditou que o fenômeno poderia ser uma ação do magnetismo. Algum tempo depois, no entanto, Fortier relatou algo ainda mais extraordinário: as mesas também podiam comunicar-se e responder a perguntas.

“Agora isto é outra coisa”, Kardec respondeu. “Acreditarei quando o vir e quando me for provado que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que pode se tornar um sonâmbulo; até então, eu vou vê-la apenas como uma história para dormir.”

Em maio de 1855, ele testemunhou o fenômeno na casa da Sra. Plainemaison e não mais duvidou. “Minhas idéias estavam longe de ser fundamentadas, mas havia um fato que devia ter uma causa. Previ algo sério além da aparente futilidade no tipo de jogo que havia sido feito desses fenômenos; e também a revelação de uma nova lei, que eu prometi estudar mais a fundo.”

Em reuniões na casa da família do Baudin, Kardec pôde observar os fenômenos com mais cuidado. As jovens Caroline e Julie Baudin escreveram numa lousa com a ajuda de uma cesta, um método que exigia o trabalho de duas pessoas e, portanto, totalmente excluía a intervenção das ideias das médiuns. Lá, ele viu várias comunicações e respostas às questões colocadas. Kardec concluiu, depois de tudo, que as mensagens eram, na verdade, manifestações inteligentes produzidas pelos espíritos dos homens que deixaram a Terra.

Uma Nova Ciência
Foi na casa da família Baudin que Kardec fez seus primeiros estudos sérios sobre o Espiritismo. Ele revelou: “Eu apliquei a esta nova ciência, como tem sido feito em outras ciências, o método da experimentação; Eu nunca fiz teorias preconcebidas. Eu cuidadosamente observei, fiz comparações e deduzi consequências. Dos efeitos tentei encontrar as causas, por dedução e sequência lógica dos fatos, não assumindo uma explicação válida até que eu pudesse resolver todos os problemas da questão ”

“Desde o início eu entendia a gravidade da tarefa que assumiria; Previ nesses fenômenos sua questão-chave, então obscuros e controversos; o passado e o futuro da humanidade, a solução do que eu havia procurado toda a minha vida; foi, em uma palavra, uma revolução de idéias e crenças, seria necessário, portanto, agir com cuidado e não às pressas, ser positivo e não idealista, para não ser enganado”, afirmou.

Kardec levou para cada sessão uma série de questões que eram então respondidas pelos espíritos com precisão, profundidade e lógica. As respostas se formaram e assumiram a proporção de uma doutrina, que o levaram a decidir publicá-las em um livro. Quando os resultados foram desenvolvidos e completados, eles formaram a base de O Livro dos Espíritos. Mais de dez médiuns prestaram assistência para a primeira edição, publicada em 18 de abril de 1857. Isto marca o inicio da codificação Espírita.

O Espírito da Verdade
Uma noite em março de 1856, Kardec estava escrevendo em seu escritório quando ouviu batidas na parede. As batidas persistiram com mais força e mudando de lugar. Kardec tentou determinar de onde o barulho vinha, mas não encontrou nada. Cada vez que ele tentava, o barulho cessava. Quando ele voltava a trabalhar, as batidas eram retomadas.

No dia seguinte, durante a reunião na casa da família Baudin, Kardec pediu aos espíritos para explicar o fato; e então descobriu que o autor das batidas era seu guia espiritual tentando comunicar-se com ele. O iluminado espírito estava presente e disse: “Para você, pode chamar-me Verdade, e todos os meses eu estarei aqui, ao seu serviço, por um quarto de hora”. Mais adiante, Kardec escreveu que a proteção do Espírito da Verdade nunca falhou, em todos os momentos de sua vida.

A primeira revelação da missão de Kardec foi feita em 30 de abril de 1856, por meio do médium Japhet. O espírito comunicante disse: “O trabalhador é Rivail, reconstruindo o que foi demolido”. O Espírito da Verdade confirmou a missão, por meio da médium Aline C. em 12 de junho de 1856, alertando-o dos problemas que ele teria que enfrentar: “A missão de um reformador está cheia de armadilhas e perigos; a sua é difícil, eu lhe aviso, porque é o mundo inteiro que precisa de mudança e transformação “.

O Movimento Espírita expande
Allan Kardec fundou a Revista Espírita em 01 de janeiro de 1858; seria, como ele escreveu, “uma revista gratuita, para manter o público bem informado de todos os desenvolvimentos e eventos dentro da nova doutrina e impedindo exageros da credulidade assim como o ceticismo”.

Em 01 de abril do mesmo ano, fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, que foi o primeiro grupo de estudo da doutrina. Em 1860, a Sociedade e a Revista Espírita se instalaram na Passage Sainte Anne, em 59 Rue Sainte Anne, Paris. Allan Kardec praticamente vivia lá, escrevendo para revistas e jornais, publicando obras e recebendo visitantes.

Em 15 de janeiro de 1861, ele publicou O Livro dos Médiuns, base da ciência do espíritismo. Em 1864, ele lançou O Evangelho Segundo o Espiritismo, que é o fundamento moral da doutrina. Em 1865 ele publicou O Ceu e O Inferno, uma análise da justiça divina segundo o Espiritismo. Em 1868, ele finalmente publicou A Genesis, o último livro da codificação básica, no qual ele fala sobre a criação das leis do universo e naturais, e explica sobre as previsões e os chamados “milagres” do Evangelho, os quais na visão Espírita são fenômenos naturais e compreendidos à luz da razão.

Ato de Fé de Barcelona
O movimento espírita também encontrou dificuldades e oposição. Uma das manifestações contra a nova doutrina, conhecida como Ato de Fé de Barcelona, aconteceu na Espanha em 09 de outubro de 1861. Trezentos livros e brochuras espíritas foram queimados na praça da cidade por ordem do bispo de Barcelona. Entre as publicações se encontravam alguns números da “Revista Espírita”, “O Livro dos Espíritos”, “O Livro dos Médiuns” e “O que é o Espiritismo”.

O Espírito da Verdade falou sobre o evento: “A minha opinião é que este evento, o Ato de Fé, irá resultar num impacto muito mais elevado do que não ler alguns volumes. A perda de material é nada comparada com os ganhos que essa ação trará a Doutrina. ”

Na Revista Espírita de 1861, Kardec escreveu: “Graças a esta ação imprudente, todos na Espanha vão ouvir sobre Espiritismo e vão querer saber o que é; isso é o que queremos. Eles podem queimar livros, mas não suas ideias. (. ..) E quando a idéia é grande e generosa, ela encontra milhares de corações dispostos a adorá-la. ”

Até breve, meu caro Allan Kardec
O contrato de aluguel onde a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas era localizado estava chegando ao fim, por isso Kardec decidiu levar seus pertences para seu próprio apartamento na Villa Ségur. Na manhã de 31 de março de 1869, em meio a preparações, ele sofreu um aneurisma. Ele deu uma edição da Revista Espírita a um funcionário da livraria quando de repente ele inclinou-se para a frente e, sem dizer uma palavra, desencarnou aos 64 anos de idade.

Amélie Boudet, sua esposa, estava nessa altura com 73 anos de idade. Ela continuou o trabalho do marido na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e viveu até 1883, quando ela faleceu sem herdeiros diretos, deixando todos os seus ativos para a Sociedade.

No funeral de Kardec, em 2 de abril, Camille Flammarion fez um belo discurso: “Nós vamos nos encontrar em um mundo melhor, e no grande céu, onde vamos usar nossas faculdades mais preciosas, vamos continuar o estudo para o qual a Terra ainda não é campo preparado. Estamos muito gratos de conhecer esta verdade, em vez de acreditar que todo o corpo e a alma são aniquilados com a cessação do funcionamento dos órgãos. A imortalidade é a luz da vida, como este sol é a luz da natureza. Até breve, meu caro Allan Kardec, vê-lo-ei em breve!”